Pobreza


Hoje cada vez mais sabemos que sáude vai muito além da ausência simples de doença. O bem-estar físico e mental, social, cultural e econômico são tão importantes que não podem jamais ser esquecidos, colocados de lado. Uma pessoa não pode estar completamente saudável se ela se encontra desempregada, não frequenta a escola, passa fome, não tem aonde morar, e é ,dessa forma, excluída socialmente. Criminalidade, transtornos psíquicos são alguns dos muitos problemas que podem surgir.
Comprometimento político com a educação, com a cultura, com o esporte e o lazer de qualidade para quem tem tão pouco podem ser alternativas viáveis para seguir um novo caminho com resultados futuros positivos.
Tomei conhecimento do caso de uma família que a cada seis meses todos sofriam de diarréia. E era sempre assim a cada seis meses. Após algumas visitas de rotina descobriu-se que a família não possuía banheiro,ou seja, eles faziam suas necessidades fisiológicas a céu aberto e próximo de casa. Foi construído um banheiro na esperança de que nos próximos seis meses aquela família não apresentasse mais casos de diarréia. Mas mesmo assim, após seis meses lá estavam eles, toda a família buscando atendimento médico por causa do mesmo problema que se repetia sempre. Feita nova visita à família, descobriu-se que mesmo com o banheiro construído eles continuavam a fazer suas necessidades fisiológicas ao relento e que só utilizavam o banheiro uma vez ao ano quando um filho que mora no Rio de Janeiro vem visitar a família. E no resto do ano o banheiro fica trancado, sem uso devido.
O probelma cultural deve ser encarado seriamente, as questões sociais e de educação são problemas a serem incluídos em todos os programas de saúde que se pretendem atender as classes socias menos favorecidas, marginalizadas socialmente. Tudo deve ser esclarecido sem etnocentrismos. Tudo deve se encaixar nos parâmentros culturais da família, da sociedade.
Muitos problemas de saúde que acometem a população poderiam ser evitados através de programas de prevenção e promoção da saúde. Mas infelizmente, sem saneamento básico, sem educação, sem emprego, sem água tratada, sem moradia, sem comida e muitas vezes sem um lar para viver fica extremamente difícil colocar em prática o que os programas,livros e governos pregam. A realidade é bem diferente!

abraços


1 Response
  1. Silvio Says:

    Concordo com voce 100%. Não é aceitável que em pleno século XXI tem gente morrendo de fome e vivendo em situações precárias num País com a oitava maior economia mundial.